CONSELHO CONSULTIVO DE ALTO IMPACTO EM EMPRESAS MÉDIAS

A dinâmica proporcionada por um Conselho Consultivo (Advisory Board) em empresas médias de uma empresa Ltda encontra benefícios incontestáveis para o desenvolvimento sustentável dos negócios desta empresa.

 

Estruturar um Conselho Consultivo, mesmo nesse contexto societário mais simples, com custos inferiores, na busca de maturidade do seu modelo de gestão, representa importante prática de governança corporativa. De início, estimula a reflexão sobre a separação formal dos temas relacionados à família, propriedade e gestão, com especial atenção ao plano de sucessão, regras de entrada de herdeiros, acordo de família e de sócios. Indo além, dá a possibilidade de trazer um olhar externo, organizar a discussão sobre identidade, escolhas, ritmo de expansão, estrutura societária, fontes externas de financiamento, oportunidades, portfólios, mercados, construção de valor, evolução patrimonial e desempenho comparado da operação, dentre outros temas.

 

Empreendedores podem tirar proveito de uma visão externa e não-viciada dos seus dilemas empresariais, a partir de ideias e alternativas para repensar caminhos e oportunidades.

 

O QUE É O CONSELHO CONSULTIVO DE ALTO IMPACTO

Entendemos o Conselho Consultivo de Alto Impacto como aquele com essência empreendedora, que entrega real valor à Organização e vale mais do que custa. Ele não é focado apenas em controles e conformidade (Compliance). Ele sabe discutir planos de expansão, orgânico ou inorgânico, entende clientes, fornecedores e concorrentes, não apenas reguladores. Joga no ataque, e consegue agregar valor às discussões de fusões, aquisições e alianças estratégicas sem que a principal preocupação seja buscar evitar responsabilizações futuras por transações mal sucedidas.

 

Um Conselho Consultivo deve ser composto por um grupo de integrantes experientes, que se reúne periodicamente para contribuir e apoiar a discussão de questões da Empresa, sem exercer a sua gestão ou sua representação ativa ou passiva. Nessa etapa de maturidade, os conselheiros estimulam disciplina, e contribuem com expertises e experiências complementares às dos sócios ou nas áreas que entendam merecer destaque e atenção. Reputação e confiança do empreendedor não devem ser os únicos atributos para a sua formação.

Os Conselhos de Alto Impacto são fóruns de opiniões, e dão subsídios para escolhas estratégicas, podendo oferecer auxílio em temas específicos em comitês, como recomendações e opiniões sobre assuntos que sejam encaminhados pela diretoria, sem deliberação administrativa. Neste formato, não se confundem suas atribuições com o poder de direcionar os negócios da Companhia de um Conselheiro de Administração.

 

Membros dos órgãos técnicos e consultivos devem, no entanto, atentar quando esses órgãos são criados pelo Estatuto, quando eles podem passar a ter, nos termos da Lei das S/A (arts. 160 e 165), deveres e responsabilidades de administradores.

 

CONSELHOS INFORMAIS X FORMAIS

 

Na interação no dia-a-dia com administradores e executivos seniores de clientes de menor porte, a prestação de serviços de assessoria financeira pode evoluir, desde que explicitamente definida, para a participação em Conselho Consultivo.

 

Outras vezes, isso pode acontecer informalmente, a partir de reuniões despretensiosas, nas quais discutem-se assuntos de natureza estratégica para a Empresa, sem ordem e conclusões claras. Esta informalidade, desta forma, retira a oportunidade de converter boas ideias em ações efetivas, uma vez que ações precisam ser atribuídas a donos, e cobradas até que produzam seus benefícios. Se houver descuido na sua implementação, mesmo Conselhos estruturados podem sucumbir à dinâmica de acompanhamento e conformidade, com a simples leitura da última ata na véspera da próxima reunião, sem que os responsáveis pelas ações propostas tenham despendido esforços efetivos para a execução das atividades sob sua responsabilidade.

 

Evoluindo a maturidade organizacional, o Conselho Consultivo pode evoluir para um futuro Conselho de Administração, que passará a ser um órgão colegiado e deliberativo, encarregado do processo de direcionamento estratégico dos negócios.

 

RESULTADOS ESPERADOS DE UM CONSELHO CONSULTIVO

 

Um Conselho Consultivo atuante aumenta a percepção de confiabilidade da empresa perante o público externo e entre seus sócios em relação a seus investimentos, o que incentiva novos aportes e captação de novos recursos no futuro.

Com a evolução da maturidade da empresa e a predisposição do empreendedor de compartilhar decisões, a natureza consultiva pode evoluir para deliberação colegiada em Conselho de Administração, após as adaptações necessárias.

 

O Conselho Consultivo pode também passar a aprofundar sua atuação em temas mais técnicos: financeiros, contábeis, comerciais e de governança.

Da mesma forma, buscar se antecipar às mudanças e aumentar a atratividade de seus produtos e serviços, aumentando assim a sua vida útil, e incentivando a empresa a ajustar seus gargalos para seguir em frente de forma profissionalizada, mesmo na ausência do seu principal líder. Isso tem o efeito de aumentar a integração organizacional, com o Conselho sempre atualizado e recomendações bem fundamentadas.

 

Temos a convicção de que todo empreendedor deveria contar com Conselheiros capazes de oferecer uma perspectiva diferente do negócio, com talento e experiência, dispostas a compartilhar aprendizados e experiências.

 

Enumeramos abaixo 5 recomendações para a estruturação de um Conselho Consultivo eficaz:

 

RECOMENDAÇÕES

 

1) Reuniões do Conselho Consultivo precisam ser disciplinadas por agendas previamente divulgadas - é fundamental que se criem condições para que haja adequada preparação para todas as reuniões;

 

2) Responsabilidades devem ser atribuídas aos times, e ações, rastreadas. Mecanismos de follow up de ideias discutidas com decisões posteriores devem ser implantados, para preservar a efetividade dos efeitos dessas reuniões;

 

3) Conselheiros Consultivos devem aprofundar progressivamente o conhecimento da Empresa, inclusive tendo acesso a certas informações e promovendo visitas periódicas à Empresa;

 

4) É desejável que um Conselho Consultivo tenha integrantes que possam acrescentar não apenas reputação, apoio e networking, mas que tenham o radar apurado no crescimento, rentabilidade e gestão dos riscos associados a estes fatores, além de incentivar a discussão sobre novas tecnologias e inovação;

 

5) As reuniões idealmente devem ser periódicas e regulares (mensais, bimestrais ou trimestrais). Esta regularidade contribui para a propagação dos efeitos dos assuntos discutidos no Conselho no cotidiano da Organização.

 

Ao estruturar um Conselho Consultivo, leve esses aspectos em consideração e tire proveito dos resultados desta ferramenta e de uma gestão mais objetiva e verdadeiramente voltada para os melhores interesses e perpetuidade da sua Empresa.

João Roberto Mesquita é sócio da Via Mandatto Assessoria Empresarial. Especialista em finanças corporativas, assessoria em fusões e aquisições (M&A), alianças estratégicas (joint ventures) e restruturações societárias, bem com consultoria estratégica para aperfeiçoamento à gestão empresarial, à governança corporativa e familiar. Engenheiro e contabilista, pós-graduado em economia, com 20 anos de experiência. Conselheiro de Administração (CCI) certificado pelo IBGC - Instituto Brasileiro de Governança Corporativa.